UTFPR 15 ANOS: a transição do CEFET

A história da transformação do Centro Federal de Educação Tecnológica-PR (CEFET-PR) em Universidade Tecnológica Federal do Paraná (UTFPR), oficializada em 07 de outubro de 2005, começa com o acúmulo de impressões e ideais de como atender melhor a comunidade paranaense e desenvolver o potencial daquele grupo de profissionais. Quem vai nos contar essa história é Cezar Augusto Romano, professor da instituição e ex-diretor-geral do campus Curitiba, que acompanhou de perto e, juntamente com alguns servidores, foi protagonista do processo.

Em meados dos anos 1990, professores já percebiam o alcance do ápice do potencial de um CEFET, narra Romano. O que podia ser feito como colégio tecnológico já era feito. Os CEFETs nasceram em 1978, com iniciativa legislativa que transformou o que eram até então Escolas Técnicas. O CEFET-PR já tinha cursos superiores, pós-graduação e mestrados. Na época, Curitiba não era um campus específico, mas sim o centro administrativo que geria as UNEDs (Unidades de Ensino Descentralizado), como eram conhecidas o que são hoje são os campi de Ponta Grossa, Pato Branco, Conélio Procópio, Medianeira e Campo Mourão (essas eram as localidades com atividades até 2004/05). O CEFET-PR era classificado como o melhor do Brasil.

Portanto, experiências e criatividades voltavam-se para o problema de como aproveitar melhor o potencial dos profissionais e expandir as atividades de ensino, sofisticando o serviço prestado à população paranaense. Eis que, em 1998, a situação legal era tal que o CEFET não podia mais oferecer exame de seleção para o ensino médio, apenas para cursos técnicos. Romano conta que, juntamente com o professor Paulo Alécio, aproveitaram o ímpeto das discussões em torno da nova Lei de Diretrizes e Bases (LDB), a qual trazia um artigo mencionando a possibilidade de criação de universidades especializadas no campo da tecnologia. Esse era o caminho, decidiram. Os professores buscaram inspiração em instituições europeias e distribuíram cópias da LDB entre os professores, angariando apoio e esclarecendo sobre a possibilidade de transformação naquele tipo de universidade, o que era visto como um tipo de "vocação institucional", dada a existência dos cursos técnicos já há longo tempo.

Então a questão tornou-se um esforço para atingir os números legalmente exigidos, como oferta de cursos superiores e mínimo de um terço de professores com mestrado ou doutorado, para transformação em universidade. Naquele setembro de 1998, os professores Alécio e Romano, respectivamente diretor-geral e vice do CEFET-PR, foram à audiência com o então Ministro da Educação, Paulo Renato, do governo Fernando Henrique Cardoso, que negou terminantemente a pretensão "universitária". Acontece que era véspera da eleição presidencial e a política de FHC consistia em criação de escolas técnicas no país - a ideia dos paranaenses era outra. E FHC venceu aquela eleição, o ministro foi também reconduzido e os professores tiveram que esperar quatro anos para concretizar sua demanda.

Esse tempo foi usado então para melhorar aqueles números exigidos, sem perder o foco, já preparando-se para o objetivo em vista. No final de 1999, o Conselho Diretor (que viria a ser o COUNI posteriormente) aprovou a estrutura de funcionamento no modelo universitário. Em 2000, as diretorias de unidade é que mandavam nas suas regiões. O professor Eden Januário Netto, então na direção da instituição, passou a ser diretor-geral pró-tempore também naquele ano, refletindo a descentralização administrativa com coordenação centralizada. Professor Romano conta que, entre os anos de 2003 a 2005, houve muito trabalho para angariar apoio parlamentar e junto à Casa Civil da Presidência. Com a eleição da administração Lula e Cristóvão Buarque no MEC, o Governo Federal telefonou para Romano, então vice-diretor-geral do professor Eden. “E aconteceu!”

Na sequência, o Congresso Nacional aprovou o projeto de lei nº 11.184, publicado no dia 7 de outubro de 2005, criando a UTFPR. Desde então a instituição cresceu, inaugurou outros campi (ou " câmpus", às vezes há discordância de qual forma do plural está correta, mas que as duas estão) e atualmente é esta grande e querida Universidade, que une população, empresas, indústrias e cientistas, presente em todo o Paraná e sendo a única Universidade especializada em tecnologia do Brasil, crescendo e sofisticando-se sem parar. A recente eleição – primeira no Brasil de forma remota para uma comunidade tão grande -  elegeu professor Marcos Schiefler Filho e é prova da solidez enquanto instituição e promessa de muitos anos formando cidadãos para trabalhar no bem-estar da comunidade.

Se desejar, acompanhe “retratos” dessa história recente na internet:
http://portal.mec.gov.br/ultimas-noticias/209-564834057/4882-sp-934507099

http://www.assembleia.pr.leg.br/comunicacao/noticias/zucchi-ressalta-a-importancia-da-transformacao-do-cefet-em-universidade-1

https://www.gazetadopovo.com.br/educacao/cefet-pr-e-credenciado-como-universidade-tecnologica-9q5lx9hgx3rav0ao5u4047zgu/

http://www.utfpr.edu.br/noticias/geral/utfpr-comemora-12-anos-de-transformacao#:~:text=Em%201998%2C%20em%20virtude%20das,7%20de%20outubro%20de%202005.