BioBlitz hemisfério sul: importância e possibilidades para a ciência cidadã

De 25 a 28 de setembro, no início da primavera, ocorre o Grande BioBlitz do Hemisfério Sul, um evento cujo objetivo é registrar a biodiversidade local com a câmera do seu próprio celular por meio da plataforma iNaturalist, a fim de assistir estudos futuros.

Animais, plantas ou fungos, os registros serão cadastrados no aplicativo e identificados por meio de Inteligência Artificial, que contará posteriormente com o auxílio de pesquisadores especializados na área. Em abril deste ano, ocorreu o Desafio da Natureza nas Cidades, uma competição de proposta quase idêntica; no entanto, como a época marcava o outono, a proposta ressurge, em novos moldes, a fim de registrar a vida na primavera. Confira, nas imagens a seguir, como participar do evento:

Diversos estados brasileiros participarão do evento, como Acre, Amazonas, Pará, Mato Grosso, Distrito Federal, São Paulo, Paraná, Santa Catarina e Rio Grande do Sul. No Paraná, apenas Curitiba e região metropolitana participam. Aqui, a  organização articuladora do evento é o campus Curitiba da UTFPR, por meio do Departamento Acadêmico de Química e Biologia (DAQBI) e do projeto de extensão BioTiba. A participação efetiva da sociedade civil configura o evento como a prática da ciência cidadã.

De acordo com Jana Souza, professora do DAQBI, “por meio do BioBlitz, há uma aproximação da sociedade civil e cientistas. Os registros feitos no iNaturalist acabam contribuindo para a ciência, porque alguns pesquisadores podem se utilizar desses dados para desenvolver estudos de distribuição das espécies”. Laís Montagnini, presidenta do Centro Acadêmico de Engenharia Ambiental (CAABS) e Sanitária e coordenadora do projeto BioTiba, acrescenta: “às vezes a vida tá tão corrida que não paramos pra olhar os pequenos detalhes. Agora, com o BioBlitz acontecendo na Primavera, esperamos um engajamento maior e registros mais bonitos ainda – em relação ao Desafio da Natureza nas Cidades -. Em tempos como esse, precisamos buscar alternativas de nos entreter, e por que não fazer isso aprendendo? Tenho grandes expectativas com a participação dos estudantes, inclusive, alguns já começaram auxiliando na divulgação do evento na Grande Curitiba.”

Gustavo Ribeiro, secretário do CAABS e também coordenador do BioTiba, lembra que a prática da ciência cidadã é algo que o Centro Acadêmico sempre procura incentivar em suas ações. “Ninguém precisa ser um especialista para integrar o evento, basta uma câmera ou gravador. A participação do campus traz a integração entre áreas muito diferentes de estudo e dos demais setores da sociedade civil, e se cada participante absorver um pouco dessa sensibilização ambiental, de que a gente não é dono da biodiversidade, nós fazemos parte dela, já é uma vitória gigantesca para a gente”.

O campus Curitiba convida a todos os leitores para que participem do BioBlitz. Na prática da ciência cidadã, nossos laboratórios são os nossos quintais.

Francisco Camolezi

Francisco Camolezi

Aluno do curso Bacharelado em Comunicação Organizacional na UTFPR. Assessor de imprensa no campus Curitiba da UTFPR.