“Projeto Meditando na Infância”, do campus Curitiba, traz harmonia para dentro da sala de aula em Centro de Educação Infantil da Prefeitura de Curitiba

Com práticas lúdicas e interativas, crianças de quatro a cinco anos do Centro de Educação Infantil (CEI) Menino Jesus de Nazaré realizam a meditação a cada começo de ano letivo.

O início da vida escolar nem sempre é período tranquilo na vida dos alunos e familiares. A maioria das crianças que estão começando a nova etapa não se sentem confortáveis em deixar o ambiente do lar para passar o dia em um ambiente estranho, longe das figuras familiares. Pensando nisso, o projeto “Meditando na Infância” foi desenvolvido. A ação, criada pela Adriana Maria Wan Stadnik, professora do Departamento Acadêmico de Educação Física (DAEFI) do campus Curitiba da Universidade Tecnológica Federal do Paraná (UTFPR), visa tornar o ambiente de sala de aula mais aconchegante, com memórias lúdicas e divertidas para os alunos, por meio da meditação. 

O “Meditando na Infância” baseia-se na concepção de meditação do Ministério da Saúde do Brasil, como um procedimento que foca a atenção de modo não-analítico ou discriminativo, promovendo alterações favoráveis no humor e no desempenho cognitivo. “Além do aplicativo 5’ EU MEDITO, também utilizamos a presença de um personagem, o Manolindo, livros, desenhos, fantasias e balões, tudo isso torna a prática da meditação para as crianças mais chamativa e alegre”, conta Adriana, coordenadora do projeto. Esses materiais são feitos em parceria com o Instituto Mãos Sem Fronteiras (MSF), Universidade Tecnológica Federal do Paraná (UTFPR) e com a Universidade Federal do Paraná (UFPR). 

No Centro de Educação Infantil Menino Jesus de Nazaré foram atendidas 44 crianças por ano, desde 2013, quando as práticas começaram a ser aplicadas. Nos primeiros anos do projeto, estagiários do campus Curitiba da UTFPR aplicam as metodologias e treinam os professores da escola, para que a meditação aconteça de forma independente, todo começo de ano letivo.

O benefício da iniciativa é reconhecido por todos os envolvidos: pais, professores, alunos e coordenadores do projeto, mas, Adriana conta que quem realmente pareceu bastante contemplada com a atividade de meditação na escola foi a diretora, que alegou: “A principal mudança da meditação foi que as professoras estão tendo um olhar diferenciado para com as crianças. Antes da meditação chegar, estavam estressadas. Trouxe qualidade de vida para elas”.

Qualidade de vida que também foi sentida pelas crianças, pois um fato interessante que se notou após o projeto ser implementado foi que nenhum dos alunos matriculados na pré-escola desistiu das aulas ou as considerou desagradáveis; ao contrário, as crianças demonstravam claro apreço pelas atividades, mesmo aquelas que exigiam muita concentração. 

Foi a partir do Meditando na Infância que o Projeto Meditando na Graduação tomou forma na campus Curitiba onde está sendo desenvolvido, com sucesso semelhante, desde o primeiro semestre de 2019.

Reportagem de Camila Gaidarji – Estudante de Comunicação Organizacional