Campus Curitiba da UTFPR transfere sua infraestrutura computacional para a nuvem

A partir de agora, a comunidade do Campus Curitiba da UTFPR passa a contar com os recursos da nuvem pública da Amazon Web Services (AWS), líder mundial nesta área. Departamentos administrativos e acadêmicos terão acesso a recursos computacionais praticamente ilimitados para uso em atividades de ensino, pesquisa, extensão e administrativas.

A prospecção de informações e primeiros contatos com a empresa, após aval da Direção-Geral, foram feitos por Wilson Horstmeyer Bogado, professor do Departamento Acadêmico de Informática (DAINF), e o processo formal de contratação foi conduzido por Bruno Tokarski de Carvalho, coordenador da Coordenadoria de Gestão de Tecnologia da Informação (COGETI), com o apoio da equipe da Diretoria de Planejamento e Administração (DIRPLAD).

A computação em nuvem é uma tecnologia madura considerada como o “novo normal” em termos de computação. No modelo tradicional, quando uma empresa tem necessidades computacionais, precisa fazer uma previsão de longo prazo dimensionando os recursos para as situações de pico, com investimentos altíssimos. Neste modelo, em geral ocorre um superdimensionamento e na maior parte do tempo a estrutura é subutilizada. O incremento de capacidade se dá em saltos, como ilustrado na figura a seguir:

No modelo de computação em nuvem, em vez de utilizar computadores físicos, os computadores, rede de dados e outros equipamentos são substituídos por componentes virtuais. Estes componentes virtuais, em última instância, são softwares que executam dentro da infraestrutura do provedor de serviços. Quando o usuário final necessita de um computador, ou mesmo uma rede de centenas ou milhares de computadores para executar algum processamento, requisita o recurso desejado através de uma interface Web e, em poucos minutos, os computadores estão disponíveis.

No modelo em nuvem, o usuário final só paga por aquilo que efetivamente usa, semelhante ao pagamento de uma conta de água ou energia elétrica. Ao ligar o computador começa a tarifação, uma vez desligado, cessa a tarifação. A tarifação é feita com a granularidade de tempo de 1 segundo. Quando não mais necessita dos recursos pode excluí-los definitivamente, deixando de incorrer em qualquer custo, ou seja, não há investimento inicial nem mínimo.

A figura a seguir ilustra as principais vantagens do modelo de computação em nuvem:

No caso específico do Campus Curitiba, atualmente existem dois servidores de grande porte, conectados a duas unidades de armazenamento que dão suporte às necessidades diretas dos departamentos, tais como páginas Web e repositórios de arquivos, entre outros. Ocorre que os equipamentos já estão em operação contínua há aproximadamente 10 anos e correm o risco de colapso total, trazendo enormes transtornos aos serviços do Campus, inclusive perda de dados. Outro problema é que a infraestrutura não apresenta a confiabilidade necessária. Embora exista uma certa redundância, como todos os equipamentos estão instalados em um mesmo ambiente, existem diversos pontos únicos de falha, de modo que qualquer equipamento que falhe, faz com que toda ou grande parte fique inoperante.

Uma vez que os serviços sejam transferidos para a nuvem, grande parte dos equipamentos hoje instalados no datacenter do campus serão desmobilizados, acarretando significativa economia no consumo de energia elétrica, manutenção do ambiente além de outros custos operacionais. Espera-se que a migração para a nuvem seja completada já durante o primeiro semestre de 2020.

A título de comparação, a substituição e modernização dos equipamentos hoje existentes custaria à administração do Campus, em uma estimativa modesta, algo em torno de 300 mil reais sem, entretanto, revolver os problemas de confiabilidade e redundância. Uma estrutura realmente confiável e eficiente pode chegar à cifra dos milhões de reais. O contrato de serviços de nuvem adotado tem vigência de 30 meses, podendo ser prorrogado por mais 30, com um custo estimado de R$ 5.000,00 mensais, podendo variar de acordo com o uso.

Além da modernização tecnológica, a infraestrutura do campus Curitiba passará a contar om a redundância, confiabilidade e resiliência da AWS, que garante contratualmente uma disponibilidade mínima de 99,99% (quatro noves) do tempo; isto significa que em um ano, o recurso poderá ficar indisponível por, no máximo, 52 minutos. Já para os serviços de armazenamento de dados, esta disponibilidade chega a 99,999999999% (11 noves).

É importante ressaltar que a adoção da computação em nuvem é uma recomendação expressa do Tribunal de Contas da União (TCU), como destacado pela Diretora de Infraestrutura de TI do TCU, Lorena Brasil, na seguinte matéria recente:

https://www.convergenciadigital.com.br/cgi/cgilua.exe/sys/start.htm?UserActiveTemplate=site&infoid=51724

Com esta ação, o campus Curitiba une-se a dezenas de órgãos públicos federais que estão aderindo à computação em nuvem.

Programa AWS Educate

Os estudantes da UTFPR já têm acesso ao programa AWS Educate, que fornece créditos de US$ 100 anuais, para até dois mil estudantes, que são liberados para usar praticamente qualquer um dos aproximadamente 50 serviços disponíveis, que vão desde computação (máquinas virtuais) até aprendizado de máquina e processamento de imagens, voz, textos e robótica. Professores também podem participar do programa. O número de professores é limitado a 200 e cada um recebe créditos anuais de US$ 200, mas pode requisitar créditos adicionais para usar em atividades de ensino e/ou pesquisa. Para ter acesso ao programa, basta que os interessados se cadastrem no portal do programa em:

https://aws.amazon.com/pt/education/awseducate/

Ao realizar o cadastro, deve-se usar preferencialmente o e-mail institucional @utfpr.edu.br ou, no caso de alunos, @alunos.utfpr.edu.br. Caso use um e-mail diferente, a inscrição necessitará de aprovação manual do responsável pelo programa na instituição.

Ressalte-se que este programa é totalmente independente do contrato de serviços de nuvem e é oferecido de forma absolutamente gratuita pela AWS, sem qualquer contrapartida ou compromisso por parte da UTFPR.

Programa AWS Academy

Os professores da UTFPR já têm acesso ao programa AWS Academy. Voltado exclusivamente a universidades reconhecidas e que tenham cursos das áreas de computação e/ou engenharia, o AWS Academy oferece treinamentos gratuitos para professores que queiram aprofundar-se nas tecnologias de computação em nuvem. Os cursos, que contam com o material oficial da AWS, são realizados remotamente e acompanhados por um instrutor da AWS.

Uma vez concluído o curso, o professor poderá realizar um teste de certificação, passando então a ser um instrutor acreditado, o que lhe permite ministrar os cursos nos quais foi certificado. O professor acreditado recebe todo o apoio da AWS, inclusive o material didático oficial e os recursos computacionais necessários para realizar as atividades práticas. Os participantes destes cursos poderão também realizar a certificação correspondente e fazem jus a um voucher no valor de US$ 50 na prova de certificação, que tem um custo de US$ 100.

Informações detalhadas sobre o programa podem ser obtidas no portal:

https://aws.amazon.com/pt/training/awsacademy/

Para ter acesso aos cursos, é necessário ser nominado pelo responsável pelo programa na instituição. Na UTFPR, o responsável é o Prof. Wilson Horstmeyer Bogado, do DAINF.

Atualmente, estão disponíveis no Brasil os seguintes cursos e respectivas certificações:

  • Academy Cloud Foundations
  • Academy Cloud Architecting
  • Academy Cloud Operations
  • Academy Cloud Developing
  • Academy Data Analytics

Da mesma forma que o AWS Educate, este programa é totalmente independente do contrato de serviços de nuvem e é oferecido de forma absolutamente gratuita pela AWS, sem qualquer contrapartida ou compromisso por parte da UTFPR.

(Texto elaborado por. Wilson Horstmeyer Bogado, a pedido da Diretoria-Geral do campus Curitiba)