Bate-papo com… Rita Patron

Rita Patron, professora do Departamento Acadêmico de Arquitetura e Urbanismo (DEAAU), do campus Curitiba da UTFPR, teve artigo laureado em reconhecido seminário internacional da área. A entrega se deu nos últimos dias 20, 21 e 22 e, em bate-papo com a Assessoria de Comunicação (ASCOM-ct), a professora dá detalhes sobre o artigo e a área da Arquitetura em que foi premiada, que é o Patrimônio Industrial.


(e-campus)  Fale sobre a pesquisa e o tema de que trata o material ganhador do prêmio.

(Rita) O artigo “La Relación entre el Arte Urbano y el Patrimonio Industrial en Pelotas, RS, Brasil_ El paisaje transformado” trata do processo de revitalização do Bairro do Porto, em Pelotas – RS. Eu e minha irmã, que foi coautora do artigo, somos de lá. A cidade teve seu desenvolvimento profundamente marcado pela produção do charque, sendo bastante importante a fixação de um frigorífico de origem inglesa, que veio a construir seu complexo na área portuária, e que chegou a empregar 15 mil trabalhadores no auge de sua produção.
Essa indústria alavancou o desenvolvimento da cidade, atraindo diferentes pessoas, que vieram a deitar raízes em Pelotas e influenciar marcadamente a história da cidade. A memória da cidade é marcada pelas atividades industriais, os mais velhos ainda lembram dos trabalhadores do abatedouro frequentando o comércio com a roupa de trabalho suja de sangue. As famílias mais importantes influenciavam economia e política. Mas em 1989, o Frigorífico fechou suas portas.
Como resultado, aquela região da cidade, outrora ponto de desenvolvimento, foi relegada ao esquecimento. Seus prédios ficaram sem manutenção, e subutilizados – período em que muitas vezes fui lá tirar fotos. Em 2006, a UFPel (Universidade Federal de Pelotas) comprou o complexo do Anglo, e deu início ao processo de reforma e instalação de sua reitoria. Em sequência, outros prédios de antigas indústrias foram adquiridos pela universidade e revitalizados.
Essas medidas trouxeram vida nova ao bairro e também manifestações artísticas. As construções exibiam em seus muros a arte do grafite, sobretudo do artista Felipe “Povo” Silva, falecido recentemente, e que imprimia naquela região do Porto seus personagens marcantes. E foi esse processo que nós abordamos no artigo. O patrimônio industrial do porto é fundamental para a história da sociedade de Pelotas.
Como disse, minha irmã, Larissa Patron, que é Professora Doutora da UFPel, do Centro de Artes, e também o acadêmico de Arquitetura e Urbanismo Fernando Sincero Jr. (Universidade Positivo) foram coautores do artigo. Nós o redigimos e preparamos em três semanas, em janeiro, objetivando esse evento, mas já faz alguns anos que trabalho com essa pesquisa, que é inclusive tema do meu doutorado.


(e-campus)  Em que contexto o prêmio foi entregue? Quais instituições estão envolvidas com patrimônio industrial?

(Rita) Em 2003 foi publicada a Carta do Patrimônio Industrial, documento produzido por um comitê internacional que estuda e investiga esse tema, o “The International Committee for the Conservation of the Industrial Heritage” (TICCIH). Desde então, a pesquisa na área tem se aprofundado em diversos países e esses eventos internacionais têm se tornado uma constante. Atualmente existem diversas organizações motivadas a recolher e estimular a investigação, preservação e produção de conhecimento nessa área.
Nesse evento do qual participamos foi escolhido o V Prêmio “Promoción del Patrimonio Arquitectónico e Industrial”, entregue no âmbito do VI Seminário Internacional do Patrimônio Industrial nas dependências da ETSAM (Escuela Técnica Superior de Arquitectura de Madrid). Nós fomos os únicos estrangeiros premiados nessa edição. Inicialmente, sabíamos que havíamos ficado entre os dez finalistas, mas eventualmente nos avisaram de que fazíamos parte dos três melhores trabalhos.
Precisamos entender que o Patrimônio Industrial conta a história da sociedade, sendo muita vezes parte responsável pela formação da cidade. Não somente a construção em si, mas a sua história e trajetória. Aqui na cidade de Curitiba nós temos o caso do patrimônio industrial do bairro Rebouças que está sendo estudado pelo grupo de pesquisa do nosso curso.


(e-campus)  Qual a importância desse prêmio para o campus Curitiba da UTFPR e o curso de Arquitetura?

(Rita) O curso de Arquitetura e o campus Curitiba da UTFPR contam agora com mais uma professora com premiação internacional. Isso agrega valor ao curso, à Instituição e ao corpo discente. Arquitetura é um dos cursos mais procurados da universidade; neste ano estamos fazendo aniversário de dez anos e continuamos crescendo, com muitas centenas de alunos. Portanto, trazer essa premiação para cá é um diferencial para a UTFPR e para a comunidade acadêmica.