Bate-papo com… Keiko Fonseca

Ela fala sobre “Cidades Inteligentes, Legislação Nem Tanto” , no Pint of Science, segunda (dia 20), 19h.

Keiko Fonseca,professora o Departamento Acadêmico de Eletrônica (DAELN) do campus Curitiba da UTFPR; doutora em Engenharia Elétrica pela Universidade Federal de Santa Catarina, concluiu pós-doutorado na Universidade Tecnológica de Dresden, Alemanha,e  atua nas áreas de sistemas de comunicação de tempo real, segurança e privacidade de dados, processamento de imagens.

Keiko é uma das professoras do campus Curitiba convidada a apresentar uma palestra no Pint of Science, maior evento de divulgação de ciência do mundo, que acontece também em Curitiba durante a semana (20 a 22.05). Ela fala sobre “Cidades Inteligentes, Legislação Nem Tanto” no bar We Are Bastards Pub (http://bit.ly/pintbastard), às 19 horas do dia 20.

(e-campus) Você consegue explicar para os leigos em que consiste sua fala no evento?

 (KF) Acho que sim – a ideia é mostrar como exploramos dados da cidade e gerar evidências científicas que podem ser usadas para estabelecer e executar políticas públicas de maneira mais eficiente. Vou usar  exemplos do cotidiano e procurar mostrar como o tema dos projetos de pesquisa do grupo em que trabalho podem ajudar a avançar a ciência.

(e-campus) Quando você teve seu primeiro contato com o Pint of Science e da onde surgiu a oportunidade para participar?

(KF) No ano passado, uma colega da UTFPR participou como palestrante e achei bem interessante.  Ajudamos a organizar um evento semelhante com colegas da UFPR (Transpint) onde indiquei um colega para falar sobre o desafio computacional de identificar “Fake News”. Este ano fui convidada por um colega da UTFPR para ser a palestrante, o que para mim é uma honra.

(e-campus)Como é a experiência de sair da sala de aula e palestrar sobre cidades inteligentes em um ambiente tão informal como um bar?

 (KF) O público e a informalidade nos força a preparar o conteúdo de maneira diferente – mas o desafio é interessante e motivador: disseminar o conhecimento é também uma atribuição do pesquisador.

(e-campus) Qual a importância, para o campus Curitiba da UTFPR participar de um evento de tão grande representatividade internacional?

 (KF) Muito importante para mostrar ao público leigo e interessado o que nós fazemos na universidade. Em especial no Brasil, o trabalho do pesquisador precisa ser “desmistificado” e os resultados de pesquisa científicas devem ser  traduzidos para o público em geral de maneira a mostrar sua importância. Não somos bons em marketing e esta é uma maneira inovadora de nos apresentar.